Socando forte até gozar no cuzinho da safada

Socando forte até gozar no cuzinho da safada

Socando forte até gozar no cuzinho da safada

eu sou meio descarada e quem ficou com vergonha foi ele eu falei nao liga e que eu tou com muita vontade de meter. Minha irmã deu um suspiro alto e me empurrou.

Quando Maya anunciava aos gritos que iria gozar os dois começaram a revezar as metidas fazendo um sanduíche com Maya metendo muito forte colocando tudo, quando um ia o outro voltava e não demorou muito para Maya sentir os jatos de porra inundar sua buceta e seu cu a sensação a fez gozar como nunca antes. Ela gemia,”aaaiii…” “devagarinho”E ele foi socando cada vez mais rápido, ja ele ia me chupando, não sabia se chupava ou gemia dando o cuzinho. Não se importava com o braço de meu marido que me enlaçava…. Nos encontramos um pouco antes, tomamos uma cerveja, conversa vai, conversa vem, nada de mais. rnSorri toda safada e disse:rn-bem…deixa eu tomar um banho…tirar teu cheiro…seu tarado safado…pra ele não desconfiar.

Quase caí dura de tanto tesão, sentia todo meu corpo tremer, Mauro sugava minha buceta e sem deixar meu cuzinho de lado, ia pincelando sua lingua de trás prá frente de frente prá trás. Nunca imaginei, mas minha mãe, que aparentava ser uma santa, era na verdade, uma boqueteira profissional. O John retornou envolto em uma toalha, ainda assim pude observar que seu pau dava sinais de muito tesão, fui ao meu banho imediatamente, quando retornei ele estava sentado à beira da cama e também coberta por minha toalha, fiquei em frente a ele e coloquei o pé esquerdo em cima da cama logo ao seu lado de modo que a toalha abriu revelando minha pernas entreabertas e em frente ao rosto do John. "Fomos conversando os dois meios ofegantes e podíamos notar um no outro o tesão que irradiava, era uma verdadeira corrente muito forte de tesão um pelo outro.

Eu vou primeiro e esquece de me dar a toalha.

Uma agradável surpresa, ela tinha que concordar.

Fechei os olhos e deixei as sensações me invadirem.

Não fiquei brava com ele, muito pelo contrário, achei aquilo demais. Quando meu pai que na época era pedreiro chegava do trabalho depois de ter trabalhado o dia todo no sol, ao ouvir o portão se abrindo eu saia em disparada ao seu encontro e dava um forte abraço e muitos beijos no seu rosto e pescoço.