So no cuzinho da safada

So no cuzinho da safada

So no cuzinho da safada

Penetras um dedo e dois por conseguinte. Um dedo e já escorria lágrimas dos olhos da menina, ela estava ofegante tentando aguentar a dor como uma heroína:-Olha Mariangela, eu acho que não vai dar, eu sou bem dotado, arrombei tua prima que pelo visto já estava cansada de dar o rabo,você não está preparada…Ela ficou bem chateada, até um pouco envergonhada, choramingando ficou pedindo como criança:-Mas papai, eu quero…você sempre dá um jeito…pode forçar eu juro que aguento…não vou chorar nem gritar…É… a menina queria mesmo, mas não sou irresponsável além disso mesmo safadinha e querendo complicar minha vida é minha filha! Não pretendia estourar o cúzinho dela, não mesmo!-Olhe minha filha, vamos nos divertir. Não tem algo que ela mais goste do que alguém pegando em seu peito e lhe chamando de gostosa.

– Falou Biel dando um tapa fortíssimo na bunda branca de Angela. E entendi a razão, assim que chegamos ele me disse que ali ele só ficava nu.

Ela não precisou insistir, conheço poucas que preferem atrás, mas são sempre as mais gostosas, safadas é claro, mas quem não gosta de comer as safadinhas? Deixei ela de quatro e pedi para repousar sua cabeça no travesseiro, aquele rabão ficou levantado e o cúzinho latejando exposto, com um dedo bem lubrificado e depois dois dedos alarguei o buraquinho para evitar muita dor ou danos maiores.

Um dia na massagem ela se arrepiou todinha e falou para eu parar, eu perguntei o que estava acontecendo, e ela meio sem graça falou que estava passando mal, então eu levei ela e sentei em uma cadeira e fiquei atrás dela, ela encostou a parte de trás da cabeça no meu pau e ficou roçando ela nele, eu então passei a mão pelo seu pescoço descendo ate o seu colo, ela então pegou minha mão e colocou meu dedo na boca e deu uma mordidinha, aquilo me deixou louco, levantei ela e beijei sua boca segurando ela pelos cabelos, passando a mão pelo seu corpo ela desabotoou meu jaleco e passou a mão por baixo da minha camisa, arranhando de leve meu peito.

-E você o que tem? – Perguntou Isa, vendo que Gabriel não estava em seus melhores dias.