Pornô Amador Muito Excitante Minha Vagabunda Cavalona Dá O Seu Cuzinho Por Ex-marido De Jardins – Sp

83 seg

Categoria:

Tag:

visualizações

83 seg

Categoria:

Tag:

Pornô Amador Muito Excitante Minha Vagabunda Cavalona Dá O Seu Cuzinho Por Ex-marido De Jardins – Sp

Pornô Amador Muito Excitante Minha Vagabunda Cavalona Dá O Seu Cuzinho Por Ex-marido De Jardins – Sp

Agora a coisa já tinha ido muito além e ele não podia voltar atrás. Passado alguns minutos o meu marido mandou eu sentar na piroca do negão, eu obedeci e fui para cima dele sentar com muita vontade enquanto o João me chamava de vadia e o meu marido me chamava de vagabunda.

Passamos uma noite sensacional, saímos mais tarde para um barzinho e quando voltamos para o hotel, após umas cachaças para a cabeça, o tesão predominava e o jeito foi continuar as brincadeiras, transar com duas mulheres na varanda do hotel com a possibilidade de alguém ver e tals era ainda mais excitante; e dormir na mesma cama com duas mulheres é sem duvida a melhor coisa da vida. Isso é uma coisa que pode terminar em tragédia…Numa sexta-feira pela manhã, meu ex-marido me telefona me dizendo que o Marcos estava com muita vontade de me conhecer e que viria passar o final de semana prolongado comigo, pois na segunda feira seria feriado e ele iria embora na terça de manhã, fique muito contente, pois nestes 10 anos sempre falava com ele por telefone e nunca tinha o visto pessoalmente somente por fotos.

Ela era a melhor amiga da minha irmã.

Ele queria que fizesse um filme erótico amador, onde ele seria o diretor e câmera, e eu seria sua atriz principal. Eu entao arreganhei a bunda dela e continuei tirando e colocando – fazer oque gatinha ? quer que faça assim nessa bunda né?Era um corpo perfeito, totalmente nua, cabelos loiros até o meio de suas costas, de costas para a avenida, estrategicamente sob a luz do poste de rua, parecendo uma estrela porno iluminada por holofotes;"Olá meus amores,como sempre vou começar me apresentando, meu nome é Ludmila,tenho 38 anos, sou divorciada e tenho vivido intensamente várias aventuras sexuais.

Joguei ela na cama, chupei a buceta, enfiei nela sem dó, botei de quatro, dei uma lambida no cuzinho, enfiei um dedo e ela me falou: que delícia, daí tirei o dedo e enfiei o pau e comi violentamente o rabinho e a vagabunda gritava de prazer até que não aguentei mais e enchi o rabo dela…. Era uma casa bem grande, com jardins e quintal, piscina, ficava num bairro onde era proibido construir edifícios, logo a piscina não era devassada.