Faxineiro Sortudo no Motel

Faxineiro Sortudo no Motel

Faxineiro Sortudo no Motel

Tenho ainda, muito tesão de tentar uma dupla penetração com minha irmãzinha, que já consentiu e também tem tesão com isso, por isso nos escrevam !chamando, chegando lá ele com estrema brutalidade me perguntou onde estavaOla internautas, aqui sou eu de novo, a Gabriela, vcs ja me conhecem do conto “Restaurante do prazer!” E como prometido estou aqui para contar a historia de como descobri a minha homosexualidade!!MINHA ESPOSA E PAUS ENORMES – IIboca na minha rola, lambendo toda a porra que ainda tinha e minha mulherJá no café, Roberto perguntou se toparíamos ir os 5 para o motel.

Fomos embora, mas antes ele fez com que passássemos em um restaurante, eu toda espirrada, com cheiro de sexo, os garçons sentiram e toda vez que nos servia, saiam rindo e olhando pra trás, não sei porque, nas me deu tesão…Resolvi voltar no escritório pra procurar a calcinha, quando eu abro a porta, vejo o faxineiro cheirando minha calcinha, e coloca no bolso ele não me vê, saio de fininho e vou embora. Nas tardes, enquanto o marido trabalhava, ela dava…"Ai ai ai penso… Que delicia se eu pudesse fazer isso!Bom, cai de boca… mamei devagar no começo, só a cabecinha e punhetava ele ao mesmo tempo… ele em pé e eu ajoelhado…-Que sortudo esse meu cunhado…Casado com uma gostosa como você?Qualquer homem estaria nos céus…– Delicia. Dela toda melecada com o meu goso, ai ela veio perto da minha boka e falou – agora vou te dar teu remedio e me beijou longamente enquanto ia se despindo, eu sentia o gosto do meu goso e lambia todo o rosto dela, entao ela tirou sua saia e so ai que percebi que estava sem calcinha e vi tambem como era linda sua buceta, entao ela subiu em cima de mim e colocou sua buceta na minha boka nossa eu suguei aquela buceta ja melada como doida e ela gritava pra que eu nao parasse e eu metia a lingua freneticamente naquela xana e mordiscava aquele grelo que saltitava na minha boka e foi nesse movimento maluco que senti o sabor quente do seu mel e eu fazia tudo pra nao perder nenhuma gota e ela com todo aquele tezao apertava a xana no meu rosto, ate que ela cançou e esticou seu corpao e cima de mim paracendo que me esmagar, mais eu tava adorando ela me beijando e me acariando toda com suas maos macias, ai ela sussurou no meu ouvido – Vamos tomar um banho e vc vai comigo pra minha casa ta, eu no momento exitei o convite mais depois do banho eu topei ir pra casa dela mais isso e para outra oportunidade ta. "Não gosto de violência, mas já fiz coisas que me envergonho, para manter minha opção sexual oculta ou por inimizades mesmo ou para defender os que gosto.